Untitled
esquerda


Leia a Última Edição!

II Série Volume 34 Número 9
Setembro 2021

E-ALERT:

menu esquerda
 
   
 
 
 
 


  1- Factores de recorrência das lesões intraepiteliais do colo do útero.

2- Duodenoscopia e colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (cpre) no diagnóstico da patologia biliar e pancreática. Experiência dos primeiros 150 exames.

3- Mefedrona, a Nova Droga de Abuso: Farmacocinética, Farmacodinâmica e Implicações Clínicas e Forenses

4- História natural da dilatação pielocalicial pré-natal.

5- Drogas antidepressivas.

6- Erisipela.

7- Abordagem terapêutica das úlceras de pressão--intervenções baseadas na evidência.

8- Traumatismo Crânio-Encefálico: Abordagem Integrada

9- Ulceras genitais causadas por infecções sexualmente transmissíveis: actualização do diagnóstico e terapêuticas, e a sua importância na pandemia do VIH.

10- Abordagem actual da gota.

11- Vasculite livedóide.

12- Cisto de Tarlov: definição, etiopatogenia, propedêutica e linhas de tratamento.

13- Tratamento antibiótico da cistite não complicada em mulheres não grávidas até à menopausa.

14- Urolitíase e cólica renal. Perspectiva terapêutica em Urologia.

15- Inversão uterina.

16- Pancreatite aguda. Actualização e proposta de protocolo de abordagem.

17- Pancreatite aguda. Actualização e proposta de protocolo de abordagem.

18- Neuroanatomia funcional. Anatomia das áreas activáveis nos usuais paradigmas em ressonância magnética funcional.

19- Neuroanatomia funcional. Anatomia das áreas activáveis nos usuais paradigmas em ressonância magnética funcional.

20- Neuroanatomia funcional. Anatomia das áreas activáveis nos usuais paradigmas em ressonância magnética funcional.

 
   

Acesso a Tratamento Endovascular para Acidente Vascular Cerebral Isquémico em Portugal



Introdução: A aprovação do tratamento endovascular para o acidente vascular cerebral isquémico obrigou à reorganização dos cuidados de saúde em Portugal. Os nove centros que realizam tratamento endovascular não estão distribuídos equitativamente pelo território, o que poderá causar acesso diferencial a tratamento. O principal objetivo deste estudo é realizar uma análise descritiva da frequência e métricas temporais do tratamento endovascular em Portugal continental e seus distritos.
Material e Métodos: Estudo de coorte nacional multicêntrico, incluindo todos os doentes com acidente vascular cerebral isquémico submetidos a tratamento endovascular em Portugal continental durante um período de dois anos (julho 2015 a junho 2017). Foram colhidos dados demográficos, relacionados com o acidente vascular cerebral e variáveis do procedimento. Taxas de tratamento endovascular brutas e ajustadas (ajuste indireto a idade e sexo) foram calculadas por 100 000 habitantes/ano para Portugal continental e cada distrito. Métricas de procedimento como tempo entre instalação, primeira porta e punção foram também analisadas.
Resultados: Foram registados 1625 tratamentos endovasculares, indicando uma taxa bruta nacional de tratamento endovascular de 8,27/100 000 habitantes/ano. As taxas de tratamento endovascular entre distritos variaram entre 1,58 e 16,53/100 000/ano, com taxas mais elevadas nos distritos próximos a hospitais com tratamento endovascular. O tempo entre sintomas e punção femural entre distritos variou entre 212 e 432 minutos.
Discussão: A análise nacional a taxas de tratamento endovascular e tempos de atuação é comparável a outros registos internacionais. Verificaram-se heterogeneidades geográficas, com taxas de tratamento endovascular menores e maior tempo para tratamento nos distritos do sul e interior.
Conclusão: Portugal continental apresenta uma taxa nacional de tratamento endovascular elevada, apresentando, contudo, assimetrias regionais no acesso. As métricas temporais foram comparáveis com as observadas nos ensaios clínicos piloto.

Clique aqui para aceder ao artigo completo (apenas  em inglês).