Untitled
esquerda


Leia a Última Edição!

II Série Volume 34 Número 4
Abril 2021

E-ALERT:

menu esquerda
 
   
 
 
 
 


  1- Factores de recorrência das lesões intraepiteliais do colo do útero.

2- Duodenoscopia e colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (cpre) no diagnóstico da patologia biliar e pancreática. Experiência dos primeiros 150 exames.

3- Mefedrona, a Nova Droga de Abuso: Farmacocinética, Farmacodinâmica e Implicações Clínicas e Forenses

4- História natural da dilatação pielocalicial pré-natal.

5- Drogas antidepressivas.

6- Erisipela.

7- Abordagem terapêutica das úlceras de pressão--intervenções baseadas na evidência.

8- Traumatismo Crânio-Encefálico: Abordagem Integrada

9- Ulceras genitais causadas por infecções sexualmente transmissíveis: actualização do diagnóstico e terapêuticas, e a sua importância na pandemia do VIH.

10- Abordagem actual da gota.

11- Vasculite livedóide.

12- Cisto de Tarlov: definição, etiopatogenia, propedêutica e linhas de tratamento.

13- Tratamento antibiótico da cistite não complicada em mulheres não grávidas até à menopausa.

14- Urolitíase e cólica renal. Perspectiva terapêutica em Urologia.

15- Inversão uterina.

16- Princípios básicos em cirurgia: fios de sutura.

17- Síndrome linfoproliferativo autoimune.

18- Abordagem diagnóstica das neuropatias periféricas.

19- Diferenças farmacodinâmicas e farmacocinéticas entre os SSRI: implicações na prática clínica.

20- Ectopia pancreática.

 
   

Proposta de Protocolo para Redução dos Riscos e Otimização da Sensibilidade nos Exames de Imagem em Pessoas com Diabetes



A diabetes é uma doença crónica muito frequente na população portuguesa, sendo a sua prevalência estimada de 13,6% nos adultos. A melhor preparação e os riscos associados à realização de exames de imagem em pessoas com diabetes são frequentemente objeto de dúvidas. Neste artigo, pretendemos rever as principais precauções e sugerir um protocolo de atuação, de forma a reduzir os riscos e otimizar a sensibilidade destes exames nesta população. Revemos também a necessidade de suspensão de metformina após a administração de contraste iodado endovascular, pelo risco de acidose láctica, as precauções em pessoas com diabetes insulinotratadas ou sob fármacos que apresentam maior risco de hipoglicemia na realização de exames de imagem que obriguem a jejum, e a influência da hiperglicemia e da terapêutica anti-diabética na sensibilidade da PET-FDG. Com a revisão deste tema e apresentação de um protocolo de atuação pretendemos desmistificar a orientação dos indivíduos com diabetes que vão ser submetidos a exames de imagem, tornando mais simples a sua gestão.

Clique aqui para aceder ao artigo completo.